Esta é uma notícia que não vai agradar muito aos gabinetes de estética, mas isso de voltar a depilar os pelos do peito num homem já era… Neste Verão, os pelos do peito são os protagonistas.

Segundo um artigo do “The New York Times”, o seu autor Max Berlinger vaticina o regresso do estilo “macho latino”. E no mesmo, defende-se um manifesto à “masculinidade orgânica”, como refere o médico Oldstone-Moore. É uma espécie de regresso aos anos 70. E não é de estranhar, pois “o final dos anos 60 e o início dos anos 70 foram sobre liberdade, o movimento hippie e uma imensidade de pelos”, defende Tim Bess, analista da Doneger Group (uma agência norte-americana de tendências de moda).

Não restam dúvidas! Os pelos do peito voltam, assumidamente, a estar na moda. Depois do Metrosexual, do Lumbersexual, da barba e afins (de que aqui já dei conta), agora os homens querem-se peludos. Pelo menos, no peito e nas pernas, diz a publicação. Mas não se pense que esta é uma mera questão de tendência ou de maior liberdade. É mais um regresso à essência, pois o como o Dr. Oldstone-Moore frisa no artigo, os homens têm andado “desconectados com a sua masculinidade”, muito ao sabor da depilação “obrigatória” imposta nos últimos anos. Contudo, homens: não se entusiasmem! Há que ser “regrado” e ter atenção à quantidade de pelo que se tem, pois "pode parecer um pouco Neandertal", alerta Bess no artigo “Welcome Back, Chest Hair”. Um dos bons exemplos é o modelo surdo Nyle Dimarco.

Mas há mais explicações para o regresso do homem peludo. Segundo declarações ao jornal britânico “The Telegraph”, Jo Hemmings, psicólogo no The Harley Medical Group explica que os homens têm menos formas de expressar a sua personalidade, estilo e individualidade do que as mulheres. Os pelos, o cabelo e a barba são uma das poucas formas aceitáveis pela sociedade para que se possam destacar.

Por isso, venham daí essas camisas desabotoadas, essas camisolas em ‘V’ ou andem em tronco nu… Assumam o estado natural, pois os pelos do peito voltam a estar em evidência. Resta saber por quanto tempo, uma vez que, tal como na moda, as tendências de beleza também são cíclicas…

Etiquetas:

Comente este artigo