A Torre Eiffel, símbolo de Paris desde a inauguração da Exposição Universal de 1889, que assinalava os 100 anos da Revolução Francesa, completou 125 anos no passado dia 31 de Março. É o monumento pago mais visitado do mundo, com uma média de 7 milhões por ano. Já esteve para ser destruída por duas vezes. A primeira foi em 1909 e a segunda em 1944. Uma por razões pragmáticas, outra por questões bélicas. Mas saibamos mais sobre este extraordinário símbolo parisiense… A torre demorou dois anos, dois meses e cinco dias a ser construída. Levou 18,038 partes metálicas, 50 engenheiros e desenhadores trabalharam na construção que foi feita por 150 trabalhadores na fábrica Levallois-Perret, mais cerca de 300 no local para a montar. O número de parafusos é impressionante: dois milhões e meio. As suas 10.100 toneladas de ferro suportam, também, o peso das camadas de pintura anteriores, calculado em 250 toneladas. Concorreram para o projecto de construção de uma torre de metal no Champ-de-Mars, para celebrar os 100 anos da Revolução Francesa, 107 projectos. Foi o de Gustavo Eiffel a ganhar o concurso e para isso contou com dois engenheiros Maurice Koechlin e Émile Nougierand, e um arquitecto Stephen Sauvestre. A Torre fora desenhada desenhada pelos engenheiros e o arquiteto mencionadso, mas recebeu o seu nome de Gustave Eiffel, por este ser o diretor da Compagnie des Etablissements Eiffel – empresa onde todos trabalhavam. Depois do design e local terem sido aprovados, a construção começou em 1887. O plano inicial era uma torre com 125 metros de largura e 300 de altura. Mas Eiffel queria mais e afirmou: “com a nova configuração das estruturas de metal e dos pilares, vamos exceder os 300 metros”. Acabou por ficar com 324.
No primeiro ano, foram 393.414 os visitantes que subiram os seus 347 degraus. Inicialmente, o monumento foi alvo de grande polêmica durante seus mais de dois anos de construção, com furiosas críticas por parte de alguns intelectuais, que se referiram a ela como uma "desonra" para Paris. Contudo, o cepticismo deu, em pouco tempo, lugar ao entusiasmo, e o monumento contou, após sua inauguração, com a admiração e o carinho de todos os parisienses. A torre fora inaugurada a 31 de março de 1889 às 13h30, quando o arquiteto Gustave Eiffel chegou ao degrau número 1.710, que separa o nível térreo do terceiro andar, e içou a bandeira francesa. O arquitecto concebeu-a como uma atração provisória para a Exposição Universal, que se realizou naquele ano, e que deveria ser destruída 20 anos mais tarde. A sua majestosa altura, que lhe permite ser apreciada de qualquer ponto da cidade, transformou-a num símbolo que ajudou a fortalecer o prestígio internacional da cidade de Paris. Localizada aos pés do Rio Sena, a torre oferece uma vista excepcional e é desfrutada por uma média de 7 milhões de turistas por ano, o que a torna na quarta atração turística mais visitada da cidade, depois da Catedral de Notre-Dame, da Basílica de Sacré Coeur e do Museu do Louvre. Vinte anos após a sua inauguração, a torre estava prestes a ser destruída pois tratava-se da entrada da Exposição Mundial mencionada e, por isso, era uma estrutura temporária. Na altura, quem concorreu para construir a torre para a exposição tinha noção que um dos pré-requisitos era que a mesma deveria ser fácil de desmontar. Isso só não aconteceu porque a Câmara de Paris percebeu o seu valor, enquanto estação de transmissor telegráfico. Durante a Primeira Guerra Mundial, desempenhou um papel muito importante como transmissora de mensagens. Por exemplo, durante a Batalha de Marne, foi de lá que se enviaram os sinais para dirigir as tropas francesas da linha da frente. Foi também através da intercepção de mensagens por ela emitidas que se descobriu que a bailarina exótica, Mata Hari, afinal era uma espiã e agente dupla, pois tanto trabalhava para os franceses, como para os alemães. Depois, foi Hitler quem decidiu acabar com a estrutura metálica de Gustavo Eiffel, assim que os aliados se aproximaram de Paris, em Agosto de 1944. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Torre Eiffel fora usada para comunicar com o Reino Unido, mas assim que a cidade foi ocupada pelos nazis, estes cortaram as ligações de elevador para que não conseguissem subir à Torre. A ordem do Führer para o General Dietrich von Choltitz, Governador da Paris ocupada, era clara: destruir a cidade. O seu ícone, a estrutura de 81 andares, era o primeiro alvo. Mas von Cholitz desobedeceu a Hitler e quando os aliados marcharam sobre a cidade, retiraram a bandeira com a suástica e substituíram-na pela francesa. Actualmente em recuperação, ela só recuperará o seu aspecto habitual no segundo semestre deste ano. A reforma, que começou em 2008 e que tem mantido fora-de-serviço dois dos seus três elevadores, é o motivo principal da empresa que explora e administra o monumento para justificar a ausência de celebrações em função da data original. A reabertura total da estrutura de 330 metros de altura terminará "em meados de Setembro ou Outubro", e será então que, conforme anunciou um porta-voz da empresa administradora, poderá haver os devidos festejos. Por trás desta remodelação, está a necessidade de "modernizar" o monumento, concretamente o seu primeiro andar, que, apesar de ser o maior dos três que possui, com 5 mil metros quadrados, é o que menos turistas atrai. Na procura de o tornar mais atrativo, grande parte de sua superfície, situada a 54 metros de altura, será transformada numa plataforma de vidro, que dará ao visitante a "sensação de estar a flutuar no ar". O arquiteto argelino Alain Moatti, pai desta ideia, previu, além disto, cercar o andar com painéis inclinados, também transparentes, para aumentar a sensação de se estar suspenso sobre a cidade. Com esta nova configuração, Moatti pretende mostrar de perto as estruturas da torre, até agora ocultas. Além da plataforma de vidro, estão a ser realizadas reformas nos diferentes restaurantes, lojas e salas de conferências que ocupam o espaço. A lista de filmes que já mostraram a Torre Eiffel é muito extensa… São às centenas, mas tudo terá começado com o filme “Funny Face” (“Ciderela em Paris”), em 1957, com Audrey Hepburn e Fred Astaire. A partir daí começou a ser tida como sinónimo de romantismo e passou a ocupar o imaginário de muitos casais apaixonados… Talvez por isso, a Torre Eiffel se tenha tornado no monumento pago mais visitado do planeta… Hoje, já não se consegue pensar na cidade de Paris, sem que a sua imagem nos venha à cabeça.

0 comentários

Eis mais um filme inusitado e surpreendente, saído do universo de Wes Anderson. O “Grand Budapest Hotel” conta-nos as aventuras e desventuras de Gustave H (Ralph Fiennes), um lendário concierge de um famoso hotel europeu durante as duas Grandes Guerras, e Zero Moustafa (Tony Revolori), o paquete que se torna no seu amigo de confiança. A história envolve o roubo e a recuperação de uma preciosa e inestimável pintura renascentista, bem como a luta por uma enorme fortuna de família – tudo sob o cenário de um Continente europeu que passa por inesperadas e dramáticas mudanças na primeira metade do século XX. O filme passa-se na Hungría e, para além dos já citados, o elenco conta ainda com participações de “luxo”: Saoirse Ronan, Bill Murray, Jeff Goldblum, Willem Dafoe, F. Murray Abraham, Owen Wilson, Jude Law, Adrien Brody, Harvey Keitel, Tilda Swinton, Jason Schwartzman, os franceses Mathieu Almaric e Léa Seydoux. Anderson afirmou em entrevistas que queria fazer este filme de época para homenagear as comédias de Ernst Lubitsch. E, tal como Lubitsch, que ambientava enredos na Europa sem filmar no continente, este filme de Anderson ambienta-se na Hungria mas foi filmado na Alemanha. Este “The Grand Budapest Hotel” é o segundo longa-metragem de época de Wes Anderson, depois de “Moonrise Kingdom”, que se ambienta em 1965.
São muitos os pequenos detalhes e ambientes que fazem jus ao universo peculiar do realizador, como os habituais planos simétricos, as personagens peculiares, sempre com timings curiosos, cenários intensos de cor, ambientes ricos em pormenor e uma banda sonora muito à la Anderson a cargo do compositor Alexandre Desplat. Tal como em Almodóvar, Anderson tem sabido construir e manter a sua visão, numa filmografia muito própria e autêntica. Com humor e intriga q.b., este é um filme que vale bem a pena ver! Mais info em: Site: www.bigpicturefilms.pt/grandbudapesthotel Trailer: http://youtu.be/TCWF0BxbyG0 Playlist: http://www.youtube.com/playlist?list=PLGEgEQ-jgAVmktCLLjhSCDTCyhBS4Oi-v

0 comentários

O Dia Mundial do Café celebra-se no próximo dia 14 de Abril. Razão pela qual venho reflectir sobre esta bebida, tão enraizada nos hábitos dos portugueses, mas ainda tão desconhecida… Por exemplo, sabiam que o café é uma das bebidas mais consumidas no mundo e que é a segunda matéria prima mais comercializada em todo o mundo, a seguir ao petróleo? Em Portugal, ao balcão, ele é conhecido por bica ou cimbalino, de acordo com a região onde se pede café. Se estivermos em Lisboa, o termo tradicional para o expresso é bica, um acrónimo que significa "Beber Isto Com Açúcar" (aposto que também não sabiam disto). Quando começou a ser comercializado em Lisboa, no café "A Brasileira", o café não agradou logo aos lisboetas e, por isso, foi criado este “slogan”, para que as pessoas adicionassem açúcar ao café. Curiosamente, hoje, os verdadeiros apreciadores de café consomem-no sempre sem açúcar, pois só assim é possível degustar, em pleno, a pureza do seu paladar… Já no Porto, quem pedir um cimbalino, tem como referência a La Cimbali, uma popular marca de máquinas de café que se tornou famosa no Norte. Nós, os portugueses, somos dos europeus que consomem menos café. Não acham estranho? Em média, um português consome 4 quilos de café por ano, o que equivale a 2,2 chávenas por dia… Consumido moderadamente, o café tem uma ação antioxidante, actuando no combate aos radicais livres e diminuindo os riscos de desenvolver doenças cardiovasculares e alguns tipos de cancro. Por outro lado, o excesso de café pode causar irritabilidade, ansiedade, inquietação, insónia, dores de cabeça, náuseas e problemas gastro-intestinais, devido à sua acidez. Mas afinal, o que tem o café? A composição química do café inclui, além da famosa cafeína, outras substâncias, cujos efeitos foram temas de inúmeras pesquisas. Por exemplo, já ouviram falar das lactonas? Pois é, muitos falam do efeito estimulante da cafeína, mas, na composição do café, as lactonas possuem um efeito estimulante sobre o sistema nervoso central que é tão ou mais significativo do que o da cafeína. Outros componentes são a celulose, que estimula os intestinos; os minerais, importantes para o metabolismo; os açúcares e o tanino, que contribuem para o sabor; e os lipídeos, que dão aquele aroma especial, que tanto gostamos… A história do café é marcada por interessantes acasos e coincidências. Estima-se que a sua origem tenha cerca de mil anos e esteja associada aos árabes, os primeiros a cultivarem o fruto. A região de Kafa, no Médio Oriente, parece ser o berço do café, tendo inclusive emprestado o seu nome à bebida. Mas interessante mesmo são os primeiros registos acerca do café, nos quais podemos perceber como a observação dos animais inspira o nosso quotidiano. Tudo começou na Etiópia, quando um pastor percebeu que suas cabras gostavam de comer um certo fruto pequenino, vermelho e arredondado. Estas mesmas cabras mostravam-se mais espertas e resistentes, depois de comê-lo. Quando o pastor resolveu experimentar esse fruto (esmagou-o com manteiga e fez uma pasta), conheceu os efeitos estimulantes do café. A versão bebida, porém, vem mesmo dos árabes. Isto foi no século XV. Com o passar do tempo, o café passaria não só a ser saboreado, como a ser estudado devido aos seus efeitos estimulantes e revigorantes. Através do comércio dos árabes com os europeus, o consumo do café foi ampliando-se e, com as grandes navegações, chegou à América Central e do Sul. Existem dois tipos de café: arábica e robusta. Ou seja, apenas duas espécies são cultivadas e comercializadas: a Coffea Arabica e Coffea Canephora, conhecido como Robusta. A Arabica, classificada apenas em 1753, é uma espécie rica em aroma, muito perfumada, doce e ligeiramente ácida. Os maiores cultivadores desta espécie são os países da América do Sul e Central, assim como alguns países da África e Ásia. Este grão possui numerosas variedades, como Bourbon, Catimorra, Mundo Novo, Caturra, Catuai, entre muitos outros. Actualmente, o ‘Arábica’ representa três quartos da produção mundial de café. A taxa de cafeína deste tipo de grão é de cerca de 1,4%Já a Coffea Canephora (Robusta), foi uma espécie descoberta e classificada no fim de 1800. Esta planta é muito difundida na África, Ásia, Indonésia e Brasil, fornecendo cerca de um quarto da produção mundial. Ela tem um crescimento rápido, melhor rendimento e é mais resistente aos parasitas. Floresce várias vezes por ano e, por isso, a sua produção por planta é ligeiramente superior à do Arábica. Os grãos contêm, em média, cerca de 2,5% de cafeína. A bebida que se obtém depois da torra do ‘Robusta’ é caracterizada por corpo e gosto achocolatado com sabor persistente. Portanto, a bebida do café é produzida a partir dos frutos destas duas espécies, que produzem sabores e aromas bem distintos. É o que se chama de Blends ou, para ficar mais claro, a harmonização dos grãos.
Mas os milhares de estudos desenvolvidos ao longo dos últimos anos, em torno desta bebida, uma das mais consumidas no mundo, chegaram à mesma conclusão: o café faz bem à saúde. Desde que bebido com moderação, os benefícios do café são muitos e diversificados. Vejamos: 1.Numa investigação realizada na conceituada Escola de Medicina de Harvard, onde foram observadas mais de 193,000 pessoas, chegou-se à conclusão que quem bebia café de forma regular tinha um risco menor de vir a desenvolver diabetes (tipo 2), do que aquelas pessoas que não bebiam café. Mesmo as pessoas que bebem descafeinado, têm uma maior probabilidade de desenvolver diabetes do que aquelas que bebem café normal. 2.Um copo de café contém cerca de 1 grama de fibra solúvel, o que significa que o seu consumo contribui para manter os níveis de colesterol baixos. 3.Alguns estudos sugerem que o café pode contribuir para a diminuição do risco de doenças cardiovasculares. O “American Journal of Clinical Nutrition” contém um estudo que alerta para o facto de pessoas saudáveis, com 65 anos ou mais, que bebiam 4 ou mais chávenas de café por dia tinham menos 53% de probabilidades de desenvolver uma doença cardíaca. 4.O café contém magnésio, o que permite que as células do organismo se tornem mais sensíveis à insulina. Resultado? Uma maior sensibilidade à insulina significa manter os níveis de energia e de glicose no sangue saudáveis e equilibrados. 5.Uma caneca de café tem mais antioxidantes do que uma porção de mirtilos. Os antioxidantes são responsáveis por um sem número de benefícios saudáveis, incluindo o atrasar do processo de envelhecimento e o aumento da esperança de vida. Para além disso, o poder anti-inflamatório dos antioxidantes é extremamente eficaz, o que se revela crucial na luta contra doenças cardíacas e diabetes. 6.Alguns estudos foram mais longe e sugerem que o consumo regular e moderado de café pode diminuir o risco de vir a desenvolver doenças como pedra nos rins, cirrose, Parkinson’s, cancro no fígado, próstata e cólon. 7.Para além de ser um diurético natural, o café pode ser um aliado na luta contra o excesso de peso. Baixo em calorias, o café acelera o metabolismo o que, por sua vez, ajuda a queimar gordura e calorias indesejadas. 8.O consumo diário e moderado de café pode ajudar a melhorar o estado de espírito e ainda combater a depressão. Em muitos casos, tomar um café também pode ajudar a aliviar uma dor de cabeça, aumentar os níveis de concentração e a memória. Adicionalmente, já foi ligado à demência, ou seja, o consumo de café reduz em cerca de 65% o risco de desenvolver esta doença psicológica. 9.Curiosamente, o café tem ainda benefícios para os dentes, ou seja, o composto Trigonellina, que confere ao café o seu aroma e sabor amargo, tem propriedades antibacterianas e anti-adesivas que previnem contra a formação de cáries dentárias. 10.A cafeína, presente no café, é um poderoso aliado no que toca à resistência e performance desportiva, quer se trate de um atleta de alta competição, quer seja um praticante regular de algum tipo de atividade física. Para além disso, o café pode reduzir as dores musculares que muitas vezes sucedem ao exercício físico em cerca de 48%.
Agora, algumas dicas e curiosidades, para preparar melhor o cafezinho: - Evitem a água da torneira para a preparação do café. O excesso de cloro na água pode alterar o sabor, por isso, prefiram água filtrada ou mineral; - O pó não deve ser reaproveitado. - Quando se utilizar pela primeira vez um coador de pano, ferva-no em água misturada com café, para tirar o cheiro do tecido. - Consumam o café logo que este seja feito, pois ele começa a perder as suas características 15 minutos depois de pronto. - Antes de servir o café, agite-no levemente para uniformizar a mistura. - O café ficou pronto? Vejam, então, para que mais serve o pó e a borra de café: para clarear e limpar a pia e o chão de cozinha, utilizem a borra do café; o pó de café, colocado num copo dentro do frigorifico, ajuda a eliminar os maus cheiros; um bom adubo, quando a borra do café é adicionada à terra em vasos de flores e plantas. Hoje, o seu uso estendeu-se a todo mundo. O café é usado em bebidas quentes, frias, doces e salgados. Com a chegada do tempo mais quente, o café com gelo começa a ganhar adeptos. Mas quem resiste a uma boa chávena de café expresso? Eu não passo sem uma. Aliás, chego a consumir três, pelo que espero usufruir de todos os seus benefícios…

0 comentários

E eis que chega o aguardado “Noé”, ou o dilúvio, segundo Aronofsky. Combinando a grandeza dos antigos épicos religiosos de Cecil B. DeMille, com a paixão de Darren Aronofsky por personagens atormentados por obsessões (lembremo-nos de “O Cisne Negro”), este filme atinge a sua plenitude quando se foca mais no lado humano das personagens e deixa o poder das suas mensagens sagradas à margem. É, de todo, impossível, para qualquer cineasta, transpor fielmente, a 100%, qualquer obra literária para a sétima arte. E por mais próxima que a adaptação seja do original, as alterações são inevitáveis, sejam leves ou de grandes proporções. Isto torna-se ainda mais grave quando se trata de textos religiosos, de qualquer religião. Ora, neste “Noé”, temos Darren Aronofsky a transporo uma passagem relativamente curta do Antigo Testamento para um épico cinematográfico, com elementos de fantasia e drama psicológico q.b.. O cineasta conta-nos a história de Noé, escolhido por Deus para salvar todos os animais após Ele se ter "arrependido" de ter dado ao Homem o domínio do planeta. Esta versão adulta de Noé, interpretada por Russell Crowe, surge no filme como um fervoroso religioso e um cuidadoso biólogo, enquanto o seu némesis, também descendente de Adão, Tubal-Cain (Ray Winstone), reina entre os homens com um talento natural para o mal e corrupção. Aronofsky e o argumentista Ari Handel foram buscar à Bíblia a figura de Tubal-Cain - nome associado nas escrituras à sua vocação como ferreiro e armeiro - para criar esse antagonismo. Isto porque não se pode fazer um filme-catástrofe centrado apenas no dilúvio; há que lhe dar intensidade e drama, acrescentar heróis e vilões. Por outro lado, ao recorrer ao Velho Testamento para aproveitar os anjos caídos a partir do conceito citados de maneira superficial pelo livro de Gênesis, como os Guardiões (“Havia naqueles dias gigantes na terra”), o cineasta cria no filme o elemento dos Vigilantes, colocando em ação verdadeiros gigantes de pedra, que dão um toque de agradável fantasia.
O sofrimento crescente de Noé advém de sua incapacidade de compreender as visões que o Criador lhe vai enviando. Diante da monumental tarefa que lhe é imposta, como é que um homem pode fazer ouvidos surdos perante o sofrimento dos seus pares e da sua própria família? É a partir deste questionamento que Aronofsky trabalha o seu protagonista, com Russell Crowe a defender esplendidamente a crescente perturbação psicológica que a devoção cega de Noé à sua missão provoca. A loucura fundamentalista de Noé contradiz os seus próprios valores… Mas Aronofsky penetra mais fundo nas personagens e dá-nos o sofrimento mundano de Cam (Logan Lerman), o amor entre Ila (Emma Watson) e Sem (Douglas Booth), a inocência de Jafé (Leo McHugh Carroll) e o carinho maternal de Namé (Jennifer Connelly). Sem esquecer também o veterano Anthony Hopkins, com uma curta mas divertida e essencial participação, como o patriarca Matusalém. Posto isto, em “Noé”, há também toda uma grandiosidade e um verdadeiro espetáculo visual. Por isso, como filme, “Noé” funciona. Há todo um equilíbrio, entre o que de maravilhoso e de terror vai acontecendo no exterior, a par das preocupações e conflitos interiores das personagens. O filme estreia já nesta quinta-feira, dia 10. Mais info em www.noe-ofilme.pt

0 comentários

Em simultâneo com Paris, Milão e outras cidades europeias, Lisboa foi também palco de um evento da marca italiana Trussardi… De forma a promover a parceria da lindíssima Gaia com a marca Trussardi, enfatizando a sua imagem e o seu papel como nova Diretora Criativa do Grupo, a loja Tru Trussardi, na Avenida da Liberdade, engalanou-se para um fim de tarde muito especial… Foi no passado dia 26 de Março, que Clientes e convidados puderam assistir à novíssima coleção Primavera-Verão 2014, com manequins que a foram mostrando, de forma descontraída, ao som especial da DJ Gabriela. Sobre Gaia Trussardi, a nova Diretora Criativa Depois de ter se apoiado em designers consultores externos, tal como Umit Benam, nesses dois últimos anos, e Milan Vukmirovic anteriormente, a marca de prêt-à-porter milanesa decidiu confiar a plena direção criativa a Gaia Trussardi, membro do Conselho Administrativo do grupo fundado em Bérgamo, em 1911, pelo seu bisavô, o designer de acessórios de luxo Dante Trussardi.
"A família desempenha um papel central no grupo. Foi chegado o momento de Gaia investir na primeira linha. Ela sempre trabalhou na empresa, primeiramente apoiando o seu pai, depois os seus irmãos e irmã", explicam dentro da marca. Enquanto Beatrice, a filha mais velha de Nicola Trussardi, o qual relançou a marca nos anos 80, concentrou-se nos negócios do Grupo, do qual é CEO desde 2002, a sua irmã encontrou o seu caminho nos cadernos de tendências, depois de ter estudado sociologia e antropologia em Londres. Actualmente, com cerca de trinta anos de idade, Gaia segue todos os aspectos criativos do Grupo, das campanhas publicitárias ao estilo. Diretora Criativa já há algumas estações das duas linhas Tru Trussardi e Trussardi Jeans, ela trabalhou para a unificação destas duas coleções, que se transformaram numa só e com etiqueta única, Tru Trussardi, a partir da coleção Outono-Inverno 2013/2014. Por outro lado, Gaia Trussardi também toma para si, a primeira linha Trussardi, que havia sido confiada há dois anos ao estilista de origem turca Umit Benam, cujo contrato terminou com o desfile da coleção feminina para o outono-inverno 2013/2014. "A nova gestão de estilo do Grupo nasce da vontade de reforçar a contínua evolução da marca e de reunir todas as coleções sob uma única visão do lifestyle da Trussardi, caracterizado, antes de tudo, pelo couro, seja em acessórios ou no vestuário, e pela contínua pesquisa e inovação, assim como por um importante savoir-faire construído em mais de 100 anos de história", aponta a marca.

0 comentários

Este conceito da marca Origama não podia ser mais surpreendente: uma toalha de praia que na areia se transforma numa verdadeira chaise longue. A já conhecida "Origama Chaise Longue" é constituída por uma suave toalha 100% algodão e duas estacas de madeira. Um design inovador que permite desfrutar de um livro, ouvir música ou até mesmo dormir sem necessitar de levar cadeira ou almofada para a praia... Criada em 2012, a Origama é uma marca 100% portuguesa, que atua no mercado têxtil com produtos na área do lazer. Pedro Ravara e Francisca Falcão são os responsáveis por esta ideia. Na tentativa de encontrarem uma solução para o desconforto que sentiam na praia, criaram aquele que é o produto de lançamento da marca: a "Origama Chaise Longue", uma toalha de praia, uma cadeira e uma chaise longue reunidos num único produto e de fácil transporte. Aliando o conforto à prática, Pedro e Francisca pegaram numa toalha de algodão e conjugaram-na com um conjunto de estacas em madeira de pinho, permitindo uma utilização funcional e cómoda na praia. Mas as toalhas são apenas o início. Com o aumento da produção, o designer João Azevedo e a arquiteta Filipa Aguiar juntaram-se à equipa. E, assim, foi também criada uma bolsa que se pode adaptar à toalha para levar o livro, o telemóvel, a carteira e o protetor solar, enfim, tudo aquilo de que se precisa para a praia.
Recentemente, e fruto de uma análise de 2000 consumidores, a par de outros produtos na mesma categoria, a "Origama Chaise Longue" foi considerada o produto mais inovador na categoria “Acessórios de Praia”. Criado e patenteado em Portugal, este produto, como já descrevi, tem como base um conceito único e inovador que alia uma mera toalha de praia a um suporte em madeira, ambos com características especiais, que permitem uma utilização funcional e cómoda na areia. O encaixe das estacas na toalha é feito de modo muito simples, sendo simultaneamente fácil de montar e fácil de manusear. Para transporte, toalha enrola-se em torno das estacas e coloca-se ao ombro ou a tira-colo. Nada mais simples e engenhoso. Pensado para pessoas que se identifiquem com um estilo de vida saudável, de partilha e harmonia com a Natureza mas que, ao mesmo tempo, não prescindam de produtos diferenciados. A marca trabalhou no sentido de criar um produto de elevada qualidade, produzido na sua totalidade em Portugal com matérias-primas nacionais e têxteis ecológicos (certificados pelo Oeko-Tex) inofensivos para o ambiente e para o organismo, permitindo a sensação de conforto e bem-estar, estando ainda a Origama Chaise Longue disponível em 16 cores/ modelos diferentes. Depois de conquistar Portugal, a marca pretende agora expandir-se além fronteiras. A Origama vai entrar este ano em força nos mercados estrangeiros. As praias de Angola, Espanha, Brasil, França e até as dos EUA vão poder ter esta “cadeira de sonho”. Em 2013, 20% da facturação resultou da exportação. Este ano, os responsáveis da marca preveem que a mesma represente mais de 50%. Esta é sem dúvida, uma nova forma de viver a praia, prática e tendo em conta as preocupações ambientais. Podem saber mais aqui: http://origama-inc.com

0 comentários

Eis-me aqui a dar conta de mais uma campanha de alerta contra a injustiça e o abuso dos Direitos Humanos. Porque nunca é demais... As Nações Unidas lançaram e prosseguem com a sua campanha contra a discriminação. A “Free & Equal” é uma campanha sem precedentes de educação pública global deste organismo para a igualdade de lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais (LGBT). Um projeto do United Nations Human Rights Office que está a ser implementado em parceria com a Purpose Foundation, a “Free & Equal” vai aumentar a sensibilização da violência e discriminação dos homofóbicos e transfóbicos e promover um maior respeito pelos direitos das pessoas LGBT por todo o lado. A campanha pretende mobilizar milhões de pessoas ao redor do mundo em conversas e discussões que ajudem a promover o tratamento justo de pessoas LGBT e gerar apoio em medidas para proteger os seus direitos. No ano passado, a UN Women lançou uma campanha de publicidade inteligente, projetada para realçar a prevalência de atitudes sexistas. A campanha usa a função de preenchimento automático do Google para revelar o que as pessoas realmente digitam no seu motor de busca quando acham que ninguém está a olhar. Os resultados são deprimentes, até mesmo chocantes. Digitem as palavras "as mulheres devem", por exemplo, e irão ver que as formas mais comuns para completar a frase são "ficar em casa," "ser escravas" ou "estar na cozinha." Por outro lado, se colocarem algo do tipo "as mulheres não deveriam" e automaticamente a frase é completada com "ter direitos," "votar" ou "trabalhar".
Inspirado por estes anúncios, a campanha Free & Equal, fez uma espécie de anúncios “spin-off” que mostram o que acontece quando se repete a busca no Google, substituindo "gays" por "mulheres". A filosofia é a mesma: colocando no motor de busca expressões como "os homossexuais podem", "não podem", "devem" ou "não devem", o resultado são ideias como "os homossexuais devem ser mortos" ou "não devem poder adotar" ou ainda "devem calar-se". Estes anúncios algo chocantes, também mostram as pessoas com a boca tapada pela pesquisa do Google, terminando com a frase "Os direitos das pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais são direitos humanos". A campanha "Free & Equal" surge porque embora tenha havido progresso nos últimos anos, incluindo, em muitos países, importantes vitórias legais, medidas de combate à discriminação e um aumento nos níveis de apoio público para a igualdade LGBT, indo mais fundo, os ódios permanecem. Mais de 76 países criminalizam relacionamentos consensuais do mesmo sexo, de acordo com um relatório do ACNUDH de 2011 sobre violência e discriminação contra pessoas LGBT, onde as sanções vão das sentenças de prisão à execução. Entretanto, muitos mais países possuem discriminações com base na força de trabalho, na educação, nos sectores de saúde e outras áreas da sociedade, segundo a ONU. Por isso, não nos esqueçamos porque nos devemos comprometer na luta pela igualdade LGBT e com a "Free & Equal", o ódio homofóbico está agora na agenda da ONU.
Em termos de famosos a dar a cara, o rapper americano Macklemore e o produtor musical Ryan Lewis são os artistas mais recentes a comprometerem o seu apoio para com a "Free & Equal", ajudando a espalhar as mensagens da campanha através dos meios de comunicação sociais. Seu lema “NO FREEDOM 'TIL WE'RE EQUAL, MACKLEMORE & RYAN LEWIS SUPPORT IT!” Eles vêm, assim, juntar-se à estrela pop latina Ricky Martin, à cantora sul-africana Yvonne Chaka Chaka, à atriz de Bollywood Celina Jaitly e à cantora brasileira Daniela Mercury. Sobre esta dupla, convém lembrar que Macklemore & Ryan Lewis são os autores da canção "Same Love", gravada para o álbum de estreia de ambos “The Heist”, de 2012 e que conta com a participação da cantora Mary Lambert. A sua letra faz referência à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, tendo sido utilizada na campanha para o Washington Referendum 74, que foi mais tarde aprovado e permitiu a união de facto entre homossexuais no estado de Washington. Razão pela qual Madonna se associou e a interpretou com a dupla, nos Grammy deste ano. Passem a palavra: "Direitos Humanos para todos, sem nenhuma diferença”. Mais informações no site: www.unfe.org

0 comentários

Amanhã, dia 29 de Março, às 20 horas e 30 minutos (hora local) de sábado, a Hora do Planeta 2014 juntará centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, seja qual for a sua raça, religião, cultura e situação geografica, numa ação simbólica em defesa do ambiente. Será, mais uma vez, um momento único de contemplação do planeta em que, pelo oitavo ano consecutivo, o mundo ficará às escuras. A Hora do Planeta é uma iniciativa da WWF (abreviatura para World Wide Fund For Nature) que começou, em 2007, em Sidney, na Austrália, quando 2,2 milhões de pessoas e mais de 2.000 empresas apagaram as luzes por uma hora numa tomada de posição contra as mudanças climáticas. Um ano depois, a Hora do Planeta passou a ser um movimento de sustentabilidade global, com mais de 50 milhões de pessoas em 135 países a mostrarem o seu apoio a esta causa, ao desligarem, simbolicamente, as suas luzes. Hoje, é o maior evento mundial de acção ambiental. Marcos globais, como a Sydney Harbour Bridge, a Torre CN, em Toronto; a Ponte Golden Gate, em São Francisco; o Coliseu de Roma, entre muitos outros, ficaram às escuras como símbolos de esperança por uma causa que se tornava mais urgente a cada hora e em qualquer parte do mundo. A Hora do Planeta 2013 celebrou-se em 154 países e territórios em todos os continentes. Este ano, esperam-se muitos mais… O elenco de "O Espetacular Homem-Aranha 2" uniu as suas forças à Hora do Planeta, na campanha da WWF deste ano, o que irá estimular todos, especialmente os mais jovens, a se tornarem verdadeiros super-heróis pelo planeta. O Homem-Aranha torna-se, assim, no primeiro super-herói a se tornar embaixador da Hora do Planeta. Este ano, a Hora do Planeta lança ainda a Hora do Planeta Azul, uma espécie de “mealheiro” digital que vai arrecadar doações monetárias para serem distribuídas a quem mais precisa. Andrew Garfield, o actor que veste a personagem, diz: "Estou orgulhoso pelo Homem-Aranha ser o primeiro super-herói a se tornar embaixador da Hora do Planeta, porque ele mostra que todos podemos ser super-heróis quando percebemos o poder que temos”. Como aderir à Hora do Planeta? Simples... O QUÊ: Hora do Planeta 2014 QUANDO: Sábado 29 de Março, 20:30 hora local ONDE: Em todo o mundo PORQUÊ: Para comemorar o seu compromisso com o planeta COMO: Desligando as suas luzes, mostrando o seu apoio e compromisso Façam a vossa parte! Desafiem os seus amigos e familiares e associem-se a esta causa com um simples gesto simbólico: desligar as luzes, por uma hora, pelo Planeta. Saibam mais em http://www.wwf.pt e em http://www.earthhour.org/

0 comentários

Katherine "Kate" Upton, americana de Michigan, é uma modelo que se tornou conhecida após a sua aparição na conceituada “Sports Illustrated Swimsuit” de 2011. Ness altura, fora nomeada “Rookie of the Year” (tal como Sara Sampaio neste ano, de que aqui já falei). A partir daí, desfilou para algumas marcas como Betsey Johnson, Dooney & Bourke, Guess, entre outras, e foi fotografada em Outubro de 2013 por Annie Leibovitz para a capa da 100ª edição de aniversário da revista “Vanity Fair”. Em Setembro do mesmo ano, apesar de estar fora dos padrões internacionais pelas suas curvas acentuadas, recebeu o prémio de “Modelo do Ano” na 10ª edição dos "Style Awards", que assinala o início da Mercedes-Benz Fashion Week, em Nova Iorque. O que me faz falar de Kate Upton? O facto de possuir formas “generosas” e, contudo, fazer furor no munda da moda, por entre as sempre requisitadas “magricelas”… Não deixa de ser curioso o seu sucesso numa indústria que promove tudo menos as formas arredondadas dos corpos femininos. A presença da modelo Kate Upton nas páginas das revistas de moda mais importantes do mundo chamou-me a atenção para este facto. Afinal, como é que uma modelo bonita, loira e algo peituda, que antes era mais conhecida por aparecer em capas de revistas masculinas como a Esquire, a GQ e a anteriormente referida, consegue vir a conquistar o mundo da moda? Para mim, tem a ver não apenas com a celebração de um novo padrão de beleza com que mais mulheres se identificam, mas também com a importância das redes sociais e das celebridades instantâneas que delas surgem. "Kate é maior do que a moda. Ela é a Jayne Mansfield da internet", afirma o seu agente Ivan Bart. De facto, as curvas generosas de Kate relembram as estrelas de cinema dos anos 50, bastante diferente das modelos que estamos acostumados a ver nas passarelas nos dias de hoje.
Hoje, Kate Upton é notícia por figurar em publicações importantes como as Vogue alemã e italiana ou a V magazine. Esta americana vive o que é, até hoje, o auge da sua carreira como modelo. Foi capa da Vogue americana, que a considerou a modelo mais “hot” do mundo, fez um editorial Harper’s Bazaar americana, foi capa das Vogue britânica e brasileira…Enfim, não pára! Além de ela possuir um rosto e um corpo muito mais “reais” do que conceituais, o que mais ajudou Kate a alcançar tamanho sucesso foi o facto de ela ser uma celebridade na internet. Ela é um fenómeno do twitter (mais de 690 mil seguidores) e no Youtube (os seus vídeos têm milhões de visualizações). Aliás, foi após o êxito de um vídeo, em que ela faz um passo de dança engraçado durante um jogo de Basket, que Kate Upton chamou a atenção da IMG Models, que cuida da carreira de modelos da estirpe de Gisele Bündchen, Heidi Klum e Kate Moss. Depois, caiu nas graças da poderosa Carine Roitfeld, e a partir daí, não foi difícil ser aceite e acolhida pelos principais editores de moda do mundo. Numa entrevista recente, Kate disse: "quando eu estava no liceu, costumava ser gozada por não ter maminhas de jeito. Então, passei a ter inveja de quem tinha peitos grandes. E quando finalmente eu passei a desenvolvê-los, eu adorei". O corpo que ela possui hoje já a ajudou a acumular uma fortuna de vários milhões de dólares, em quatro anos como modelo, antes de completar 21 anos. Kate Upton deixou bem claro que não está disposta a ceder às exigências da indústria da moda, que obriga as mulheres a serem magérrimas. Em entrevista ao Daily Mail, a modelo declarou: "No inicio, esta carreira foi difícil, pois as pessoas diziam-me sempre: ’Não, porque você é gorda’. Mas embora não pareça, para conseguir o meu corpo tenho de o trabalhar com ginástica e comida saudável”. Kate responde, de alguma forma, ao polémico site “Skinny Gossip”, famoso por incentivar a anorexia entre as mulheres, onde comparou a modelo com vacas. O site ainda diz que a Kate Upton caminha pela passarela como se no final tivesse uma mesa repleta de comida à sua espera. “Ela é gorda, vulgar, quase pornográfica” diz um dos comentários maldosos no site. Mas o seu corpo curvilíneo, com boa clivagem (que é o que talvez chame mais atenção) e um certo ar de Marylin Monroe, têm sido o seu sucesso! Kate Upton tem conseguido singrar, apesar de muitos olharem com desconfiança os rápidos passos na indústria. Com a sua típica cara de American Girl e facções não tão angulosas como as das suas colegas modelos, Upton tem vindo a provar que um corpo bem formado e um sorriso doce também têm um lugar na moda, e não apenas de roupa interior. Vamos ver se não se trata apenas de um fenómeno passageiro…

0 comentários

A Pantera Cor-de-rosa é uma série de filmes de comédia, sobre um detetive de polícia francesa inapto e trapalhão, o inspetor Jacques Clouseau. A série começou com o lançamento de “The Pink Panther”, em 1963. O papel foi estreitamente associado a Peter Sellers e a maioria dos filmes foram realizados e co-escritos por Blake Edwards, com a famosa música do tema, composta por Henry Mancini. Nestes filmes, a Pantera Cor-de-rosa é um grande e valioso diamante rosado e muito desejado. Esse diamante é assim chamado por possuir uma falha no seu centro, que, quando visto de perto, assemelha-se ao felino em causa. O nome Pantera Cor-de-rosa reaparece no título do quarto filme, “The Return of the Pink Panther”, onde o roubo do diamante é novamente o centro do enredo. Contudo, tem sido usado em todos os filmes subsequentes da série, mesmo quando a jóia não figura na trama. Mas eis aqui o verdadeiro aniversário que aqui falo. O primeiro filme da série teve uma sequência de animação de abertura, criado pela DePatie-Freleng Enterprises e definido com a música temática de Mancini, que apresentava a personagem Pantera Cor-de-rosa. Em 1964, o autor e realizador Fritz Freleng obtera permissão do estúdio United Artists para produzir um curta de animação, a "The Pink Phink", que obteve o Oscar na categoria no mesmo ano. Essa personagem, desenhada por Hawley Pratt e Friz Freleng, foi posteriormente objecto da sua própria série de desenhos animados, estreando na TV em Dezembro de 1964. Com a popularidade recebida, em 1969 foi lançado o “The Pink Panther Show”, como série de televisão por direito próprio, destinada ao público infantil, no canal "NBC", cujas emissões duraram até 1980.
Portanto, o sucesso da Pantera Cor-de-rosa foi tão grande, que de personagem coadjuvante passou a principal, tendo mais de 100 episódios no total, em média com seis minutos de duração cada. Um dado curioso, tendo em conta o facto de a Pantera não comunicar verbalmente, mas apenas através de mímica. Sempre, claro, acompanhada pela fantástica música Henry Mancini, com arranjos de Waltel Branco. A Pantera Cor-de-Rosa tornou-se numa das personagens mais queridas da televisão e dos desenhos animados de sempre… Parabéns pelo seu cinquentenário!

0 comentários

Pois é, com os meus 44 anos, lá me tocou a vez de ser entrevistado para o blog "Como chegar aos 40"... A sua autora, a fotógrafa Margarida Gautier, apresenta nele formas bem divertidas e outras mais sérias de como chegar (bem) aos 40 anos de idade. Histórias, peripécias e aventuras, contadas sempre na primeira pessoa. Este seu blog contém também testemunhos de caras bem conhecidas, que partilham com todos como foi a experiência real de chegar aos 40… Aqui, pode-se bem dizer, entra-se nos "enta" em grande! A Margarida, grande amiga e autora de algumas das minhas melhores fotografias (retratos), desafiou-me a contar como cheguei à minha idade, estando tão bem. Não me fiz rogado, antes pelo contrário, e o resultado está à vista. Podem ler tudo, na íntregra, aqui: http://comochegaraos40.wordpress.com/2014/03/19/entrevista-a-joao-liberio/

2 comentários

Baseada no mais recente e gráfico romance de Frank Miller, “Xerxes” (ainda não editado) e descrita no tremendo estilo visual do anterior filme “300” de 2006, este novo épico capítulo da saga acontece num novo campo de batalha – o mar, no qual o general Grego Themistokles (Sullivan Stapleton) tenta unir toda a Grécia, ao liderar um ataque que ira mudar o curso da guerra contra o poder Persa. “300: Início de um Império” coloca Themistokles contra as imensas forças invasoras Persas, lideradas por Xerxes (Rodrigo Santoro), o mortal que se tornou Deus, e Artemisia (Eva Green), a sensual, impiedosa e vingativa comandante da Marinha Persa. Neste novo capítulo, temos o rei da Pérsia, Xerxes em busca de uma vingança gerada pela morte de seu pai, que ataca até o coração da Grécia, Atenas. Unidos por conta das circunstâncias, os exércitos das cidades-estado gregas vão sendo lideradas por Themistocles, à excepção de Esparta. E neste filme vemos o primeiro incluído, pois a sua acção começa antes de “300” e termina após o efeito devastador deste filme, onde vemos, mais tarde, Esparta a tomar uma atitude diferente, enquanto a rainha Gorgo (Lena Headey) vai lidando com as consequências da morte do seu Leônidas. Ou seja, o filme vai desde o primeiro confronto com os conquistadores do Médio Oriente até aos eventos que aconteceram simultaneamente à defesa das Termópilas (vista em “300”), indo alguns meses além da mesma. Assim, “300: Início de um Império” acaba por contar uma história paralela, que começa antes e termina depois do primeiro filme. Como disse, este novo capítulo da “saga”, que começou no fantástico “300″, tem o texto parcialmente baseado na tal Graphic Novel ainda não lançada de Frank Miller, escrito por Zack Snyder, em colaboração com Kurt Johnstad, tendo sido realizado por Noam Murro, que se soube manter fiel ao estilo visual do seu antecessor, Zack Snyder. Toda a beleza plástica da produção é fabulosa. Actores, figurinos e objetos de cena (reais ou virtuais) misturam-se numa explosão de cores e nuances que mais parecem tratar-se de pinturas, com o recurso à tecnologia 3D que vem ressaltar este verdadeiro delírio para os olhos.
Ao contrário de Gerard Butler, cujo carisma deu um fantástico Leônidas, o protagonista Temístocles vivido pelo australiano Sullivan Stapleton tem menos força. Contudo, graças a Eva Green, o eixo de interesse nas personagens principais subsiste e resulta equilibrado. Além de se exceder numa cena com Stapleton, num momento que redefine o termo “sexo selvagem”, a sensual actriz consegue carregar de complexidade a sua Artemísia, transformando-a na “vilã” ideal, que até beija as cabeças decapitadas dos seus inimigos… No fundo, “300: Início de um Império” tem todos os ingredientes para nos divertir a todos e agradar a quem viu o primeiro. Vale a pena!

0 comentários

Em homenagem ao “Dia Internacional da Mulher” que passou, mas também pela minha motivação em enaltecer e divulgar causas merecedoras, aqui me têm a falar desta bem original. "100 Homens, Sem Preconceitos - Um Passo pela Igualdade" é o lema da campanha que a revista “Máxima” lançou. A mesma desafiou 100 homens da nossa sociedade a calçar sapatos de salto alto em nome dos Direitos da Mulher, numa iniciativa que culmina com um conjunto de ações solidárias a favor da Associação Laço, na sua luta contra o cancro da mama. A violência doméstica (em 2013, 33 mulheres morreram vítimas da mesma em Portugal), as desigualdades salariais, os obstáculos (sexistas) no mundo do trabalho ou as tarefas domésticas que continuam a sobrecarregar as mulheres portuguesas são alguns dos baluartes hasteados por figuras já bem conhecidas entre nós, como o actor Ricardo Carriço, o realizador de "A Gaiola Dourada" Ruben Alves, o jogador de râguebi Gonçalo Uva ou o músico Kalaf, entre outros. Os sapatos de salto alto ficaram a cargo de Luís Onofre, que desenhou e produziu, em exclusivo para "100 Homens Sem Preconceitos – Um Passo pela Igualdade", uns stilettos adequados em tamanho e forma aos pés masculinos.
O projecto, lançado no passado dia 8 de Março, e que já figurou nas páginas do último número da revista (na publicação de Março foram revelados os onze pioneiros que tiveram a coragem de desafiar os preconceitos) pretende surpreender e alertar para as desigualdades no seio do género feminino, que ainda teimam em persistir na sociedade portuguesa e também no mundo. Ao longo dos próximos meses, as edições da "Máxima" irão continuar a incidir os holofotes sobre novas personalidades masculinas, culminando em Outubro com uma exposição das 100 fotografias resultantes do projecto. Vai ser também lançado um livro, em formato coffee table, que reunirá as mesmas, assim como os depoimentos recolhidos pela jornalista e escritora Isabel Stilwell. Irá ainda decorrer um leilão dos sapatos de Luís Onofre, usados pelos convidados. As receitas resultantes de todas estas ações revertem a favor da Laço, uma associação sem fins lucrativos que trabalha na prevenção e apoio às mulheres com cancro da mama e que se associou à revista neste “Passo pela Igualdade”. O site desta original e eficaz iniciativa está disponível em www.100homenssempreconceitos.maxima.xl.pt

0 comentários

And the band played on… Depois do estrondoso desfile de Nuno Gama, foi a irreverência de Filipe Faísca que marcou e encerrou esta última edição da ModaLisboa - Lisboa Fashion Week. "Vision" foi o lema de mais uma edição da ModaLisboa, que durante três dias, entre 7 e 9 de Março, preencheu de glamour e criatividade o Páteo da Galé, no Terreiro do Paço, juntando designers de moda já conhecidos e novos valores. Foi mais um fim-de-semana em cheio para a capital portuguesa, que apresentou as melhores propostas de moda sugeridas pelos criativos do nosso país para a próxima temporada Outono/Inverno 2014. E “Vision” porquê? Porque na ModaLisboa acreditam, antecipam e criam o futuro da indústria da moda no nosso país. “Vision” porque a ModaLisboa apresenta, como sempre e em primeira mão, a excelência e a ousadia das coleções concebidas pelos designers nacionais (Valentim Quaresma, Alexandra Moura, Nuno Baltazar, Lidija Kolovrat, Saymyname, Luís Carvalho | Lab, Ricardo Preto, Luís Buchinho, Nuno Gama, Aleksandar Protic, Ricardo Andrez | Lab, Pedro Pedro, Dino Alves, Miguel Vieira e Filipe Faísca). “Vision” porque no âmbito do protocolo de intercâmbio com a FashionPhilosophy/ Fashion Week Poland, apresentaram a visão de moda do “guest designer” Lukasz Jemiol. Nesta 42.ª edição do maior certame de moda da capital, foram muitos os nomes mais famosos que marcaram as passarelas da moda portuguesa, no já emblemático e incontornável certame. Na primeira noite, o destaque vai para “Sangue Novo”, um impressionante desfile que permitiu a novas promessas da moda naciona apresentarem as suas colecções, algumas mais ousadas, outras mais irreverentes, mas todas originais. No segundo dia, Nuno Baltazar iniciou os desfiles no Pátio da Galé, seguindo-se os de Lidija Kolovrat, de Saymyname, de Luís Carvalho e do designer convidado, o polaco Lukasz JEmiol. O segundo “round” culminou com as propostas de Ricardo Preto e Luís Buchinho. O intervalo dos desfiles foi aproveitado por muitos para uma visita a duas exposições que, nos três dias do evento, estiveram patentes nos Paços do Concelho. Trata-se da pop-up store Wonder Room, que apresentou seis dos jovens designers do Sangue Novo; e de mais uma edição de Workstation, a ModaLisboa Vision pelo olhar de seis fotógrafos: Anna Balecho, Arlindo Camacho, Élio Nogueira, Sal Nunkachov, Seth Solo e Telma Russo. Bom de ver!
No terceiro e último dia, as arrojadas e criativas peças de Nuno Gama foram apresentadas em plena Praça do Comércio, marcando uma das principais atrações desta edição da ModaLisboa. Com o céu a ameaçar chuva, que felizmente teimou em não cair, e ao som da charanga da GNR (Guarda Nacional Republicana), composta por 80 elementos e 20 cavalos, os modelos do criador português desfilaram em torno na estátua de D. José e maravilharam toda uma assistência entusiasmada e surpreendida pela originalidade do desfile. Momento alto foi também o desfile das “amazonas” Raquel Prates, Lucia Garcia, Iva Lamarão ou Jani Gabriel que, acompanhadas por guardas e seus corcéis, apresentaram a linha feminina do estilista, que foi muito aplaudido.
Mais tarde, perante uma sala recheada de muitas caras conhecidas que se vestiram a rigor para ir conhecer as novas tendências, pois a moda não se limita apenas à passerelle, desfilaram ainda no Páteo da Galé as propostas de Aleksandar Protic, Ricardo Andrez, Pedro Pedro, Dino Alves, Miguel Vieira e Filipe Faísca. E como inicei, termino com este criador, que a todos espantou. O regresso de Filipe Faísca à passerelle fez-se com um desfile que não se limitou ao tema por si proposto – Entropy, já que foi também uma catarse. Foi uma das passagens mais aguardadas, até porque Faísca fizera um interregno na apresentação pública do seu trabalho. Explodiram aplausos, vivas e entusiasmados assobios quando, para além dos mais requisitados rostos desta ediçaõ da ModaLisboa (Milena, Sharam ou Fabiana), Faísca vestiu nomes fortes da indústria como Luís Pereira, João Pombeiro, Mariama Barbosa, e fez regressar modelos “old school”, como Sofia Aparício e outras, já para não falar do regresso de Flor ou da estreia sensual de Leonor Poeiras, a usar uma das suas arrojadas transparências. E apesar dos sapatos de solas vermelhas “falarem francês”, a mensagem evidente desta coleção foi clara: o que é nacional ainda é muito bom. Portanto, entre Nuno Gama e Filipe Faísca, o primeiro e o último desfile respectivamente dos sete que marcaram o calendário de ontem, fechou-se mais um círculo que mostrou que, para além da moda, o último dia da ModaLisboa foi também uma festa. Glamour, criatividade q.b. e alguma ousadia marcaram esta 42.ª edição da ModaLisboa, porque Lisboa está, mais do que nunca, na moda. Ainda este ano, por volta de Outubro, a ModaLisboa - Lisboa Fashion Week regressa para mais uma edição, com a organização a apostar, mais uma vez, na afirmação da indústria portuguesa da moda e dos seus criadores… Saibam mais em dailymodalisboa.blogspot.com e em www.modalisboa.pt
ModaLisboa “Vision” com design em cortiça Uma curiosidade a salientar. Fruto de uma parceria com a Corticeira Amorim, os desfiles da ModaLisboa - Lisboa Fashion Week foram feitos sobre um piso de cortiça Wicanders, uma matéria-prima natural, confortável, que beneficia a acústica do espaço e de estética diferenciada. A sua utilização não se limitou ao piso e a cortiça surgiu também como elemento principal do projecto de cenografia e design de interiores desta edição da ModaLisboa, da responsabilidade dos arquitetos Rita Muralha e Raul Santos. O aglomerado de cortiça expandido, que se caracteriza por uma tonalidade escura, surgiu amplamente utilizado como revestimento de paredes interiores, assim como em formato de mobiliário interior, preparado para o efeito. Assim, diferentes áreas do evento foram revestidas em cortiça, como a sala de desfiles, a sala Club, a área social, o Wonder Room e o backstage. De acordo com Eduarda Abbondanza, Presidente da Associação ModaLisboa: “A cortiça é um património nacional, uma indústria muito importante na nossa economia e uma excelente matéria-prima ecológica. Sendo a ModaLisboa uma plataforma de comunicação, e tendo desde sempre como missão a divulgação da produção e design nacional, pretende-se nesta edição associar cortiça à Moda, conferindo-lhe uma multiplicidade de utilizações.” Por seu turno, para a Corticeira Amorim, havia uma clara sintonia entre o perfil da ModaLisboa e o posicionamento da empresa, que a partir de uma matéria-prima nacional e suportada por um investimento significativo em inovação, leva Portugal aos quatro cantos do mundo. Carlos de Jesus, Diretor de Comunicação e Marketing da Corticeira Amorim, acrescentou que “Depois de ver a cortiça ser utilizada em eventos semelhantes em grandes capitais da moda, era para nós importante uma associação a um palco nacional, que de forma privilegiada colocasse um público tão vasto em contacto com as soluções de cortiça e as suas mais-valias estéticas, de conforto e de sustentabilidade.” Uma parceria ganha, portanto!

0 comentários